Seguidores

domingo, 15 de dezembro de 2013

A Boneca de Kokoschka - Afonso Cruz



"Não existe mentira na literatura, na ficção, e, digo-lhe mais, não existe verdade na vida real. Se perceber isto muito bem, perceberá muito mais coisas."

Excerto da página 83

terça-feira, 12 de novembro de 2013

7 meses depois, o Sugestão de Leitura está de volta

Pois é amigos, há 7 meses que não publico nada.
No entanto, o blog continua com mais de 10.000 visitas por mês, o numero de seguidores duplicou neste período.
A falta de tempo é sempre uma boa justificação para o sucedido, mas 10.000 visitas por mês merecem pelo menos uma palavra.
A minha próxima sugestão vai ser A Desumanização de Valter Hugo Mãe.

Aquele Abraço


quarta-feira, 13 de março de 2013

Há Sempre um Amanhã - Pearl S. Buck


               Em 1938, Pearl S.Buck torna-se a primeira mulher norte-americana e vencer o Prémio Nobel da literatura.
                Há Sempre um Amanhã foi escrito em 1931.
                Joan, Rose e Francis são três irmãos que ainda jovens, mas já adultos, vêm a sua mãe morrer de uma doença prolongada. Mr. Parsons , pai dos três, é um padre presbiteriano. Para ele, Deus está acima de tudo, vive exclusivamente para Ele. Rose casa com Rob, (“Desejas casar com Rob, Rose? Se Deus me diz que o faça.”) juntos partem para a China para uma missão evangelizadora. Francis parte para a cidade com o desejo de ser piloto de aviões.  Mr. Parsons começa a ser contestado pela comunidade, os tempos áureos em que era respeitado por todos, já lá vão. Agora acham as suas missas chatas e pedem outro padre. Ao saber que vai deixar a paróquia, Mr. Parsons não aguenta o desgosto e morre. Joan vê-se sozinha e infeliz. (“Mesmo que varresse a casa e enchesse as jarras, desde que enchesse com as últimas rosas vermelhas o velho açucareiro de prata e o pusesse na mesa do corredor, defronte do espelho, para quem o faria?”) A partir dai a história vai-se desenrolando, Pearl S. Buck aproveita-a para questionar muitos dos comportamentos da sociedade de então.
                Se temas como o divorcio; (“não permitirei um divórcio nesta casa! O que Deus juntou…”) ou o fato de as mulheres só poderem sair há rua acompanhadas com os maridos são problemas do passado, pelo menos na nossa sociedade. Na verdade, temas como o racismo; (“reinava em South End uma atmosfera muito carregada, com os operários brancos em greve contra Mr. Bradley, por ele ter admitido negros.”) a homossexualidade; (“amo-te porque és tão encantadora e parecida com um rapaz.”) o preconceito social que é namorar com um homem bem mais velho; ("tem quarenta e cinco anos, pelo menos e tu tens vinte e dois!") O medo da morte; ("não me deixes morrer") a injustiça do sistema capitalista ("não há oportunidade nenhuma para um tipo que não tenha influência, dinheiro ou qualquer coisa…quase morri de fome em Nova Iorque. Havia comida por toda a parte…") e sobretudo a desigualdade no tratamento entre pessoas de sexo diferente são ainda hoje temas muito atuais, sendo este um dos temas centrais da obra.
                Deus é o outro tema central deste romance. Quando Joan sabe que o seu filho é deficiente revolta-se contra Ele, mas na verdade só encontra conforto Nele. Já no fim do livro e depois de muito questionar Deus, Joan afirma: “Se Deus existe, eu não Lhe poderia perdoar.”
            Joan luta toda a vida pela felicidade, mas será que conseguira? Francis simbolizado todos os americanos que desejavam uma vida melhor. Rose que tudo dá a Deus é assassinada na China. Três irmãos, sempre com a esperança que exista sempre um amanhã.
            Boa leitura…  

quinta-feira, 7 de março de 2013

Gabriel García Márques faz hoje 86 anos.



Gabriel García Márquez faz hoje 86 anos.
É pena já não escrever mais, todos nós perdemos muito com isso.
É um dos meus escritores favoritos.
Pablo Neruda disse um dia sobre Cem Anos de Solidão:
 “este é o melhor livro escrito em castelhano desde Quixote.”


Sugestões e citações de livros de Gabriel Garcia Marquez:
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/search/label/Gabriel%20Garc%C3%ADa%20M%C3%A1rquez

sexta-feira, 1 de março de 2013

o apocalipse dos trabalhadores - Valter Hugo Mãe

              
Valter Hugo Mãe é um dos escritores de língua portuguesa que mais admiro. Ao ler o apocalipse dos trabalhadores consolidei a opinião que tinha sobre o escritor. Ele tem uma sensibilidade extraordinária, as suas personagens revelam uma capacidade fora do comum de se por no “lugar do outro”. Recordo que o escritor tem apenas quarenta e um anos, o que torna ainda mais raro este tipo de escrita nessa idade.
                 Foram vários os “murros” que levei no estomago ao ler o romance. Neste livro fala-se de muita coisa, mas é sobretudo a felicidade humana que é questionada. Confesso que VHM abordou o tema por pontos de vista que não tinha pensado, e isso levou-me a chegar a conclusões que nunca me tinham passado pela cabeça. Mas será que somos uma “máquina de trabalho a caminho da felicidade e nada mais.”
                Maria da Graça era quem fazia as limpezas na casa do senhor Ferreira. Acabam por ter uma relação amorosa. O senhor Ferreira “era um homem cheio de razões para viver, estava reformado, tinha dinheiro, sabia coisas, apreciava ainda os prazeres mais elementares” mas para grande surpresa suicida-se.
                Quitéria é a grande amiga de Maria da Graça, ganha dinheiro indo a funerais, tal como a amiga vive num bairro social. Apaixona-se por Andy um ucraniano a trabalhar nas obras que veio para Portugal tentar proporcionar aos pais uma melhor alimentação na Ucrania. Quando Andy soube que iria ganhar 300€ por mês “acreditou que nunca mais passaria fome”.
                Augusto, o marido de Maria da Graça, era pescador, por isso passava meses fora de casa, mas ao casal só o casamento os unia, todo o resto não existia. Por vezes, batia na mulher e acretiva que Graça não tinha desejos sexuais.
                A felicidade e a aparência de felicidade; as frustrações da vida; a dura vida de quem é pobre e tem poucos recursos; o mau que é viver num país onde ninguém nos entende e onde ninguém percebe a língua que falamos; a histórica fome na Ucrânia ou a alegria de viver são apenas alguns dos temas abordados.
                No final do livro, pelos menos aqueles que não tenham um coração de pedra, serão certamente mais humanos e “menos máquinas”. No meu caso, confesso que passei a olhar os imigrantes com outros olhos.
                Grande livro, parabéns Valter Hugo Mãe
                Boa leitura…


quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

Morreu Stéphane Hessel autor de Indignai-vos

Inspirou o movimento dos Indignados, o único sobrevivente do grupo que em 1948 redigiu a Declaração Universal dos Direitos Humanos, e morreu na última noite em Paris. Stephane Hessel, 95 anos, era o autor do manifesto "Indignai-vos", publicado em 2010, que vendeu 3,5 milhões de cópias em todo o mundo.
Evadiu-se em 1944 de um campo de concentração nazi e gostava de dizer a propósito: "Lutei contra Hitler e fui eu que ganhei".
Grande homem, nunca deixou de lutar pelos seus ideais e fê-lo sempre de uma forma pacífica. Mesmo depois dos 90 anos não baixou os braços e apelou à indignação das pessoas, segundo ele, a Europa está a ir por um caminho muito perigoso. Seres humanos com Stephane Hessel fazem muito falta ao mundo.

Sugestão de leitura e citações de Indignai-vos de Stephane Hessel:
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/search/label/Indignai-vos



domingo, 24 de fevereiro de 2013

Gostaria, Zeca Afonso, de ser hoje tão Popular?


Fez ontem 26 anos que José Afonso nos deixou.
"Zeca" marcou um período na música portuguesa. O período onde as músicas de intervenção imperavam.
”Uma revolução precisa de muitas músicas” e ele foi dos cantores que mais inspirou o povo português a fazer a revolução de 1974. Recorde-se que em 1963 canta “Os Vampiros” música censurada pela PIDE, viria a tornar-se símbolo de resistência anti-Salazarista da época. Grândola Vila Morena foi pela primeira vez cantada em 1971 e ficou para a história como uma das músicas do 25 de Abril de 1974.
Gostaria, Zeca Afonso, de ser hoje tão Popular?
 Julgo que não. O grande Zeca gostaria certamente de ser recordado como o grande cantor dessa época e não como um cantor muito em voga neste início de século. Porque se neste país “há beira-mar plantado” não morrerem tantas pessoas por não terem dinheiro para comprarem medicamentos; se centenas de famílias não tivessem a ser despejadas das suas casas; se o desemprego não fosse tão elevado; se tantas mães não desesperassem por não conseguir por na mesa comida para os filhos certamente não se ouviria tanto Zeca Afonso.
Por tudo isto, acredito que se fosse vivo, seria muito mais feliz se as suas músicas não passassem hoje tanto nas rádios, nas manifestações, na assembleia da república, ou para "mimar" o governo.

P.S: José Afonso teve vários problemas com a PIDE, sendo mesmo preço no Forte de Caxias entre Abril e Maio de 1973.


Obrigado rol de leituras


Este selinho foi oferecido pela Teresa Dias do blog rol de leituras.
Obrigado Teresa por mais um selinho ;-)

Assim que conseguir também vou atribuir alguns selos.


domingo, 3 de fevereiro de 2013

Pearl S. Buck em Há Sempre um Amanhã

Sobre o silêncio...



     Joan sabia o que era o silêncio. Conhecera o silêncio de uma voz não mais ouvida, depois da morte da mãe, silêncio que se tornava maior com a partida de Rose, e depois de Francis. Conhecera também o silêncio em que vivera com o pai e em que ele morrera, e o silêncio em que Bart a encontrar a ao qual a arrebatara, o silêncio de si mesmo, da sua desolação.

Excerto da página 208

domingo, 20 de janeiro de 2013

Poema, com pintura

Silêncio, 2008 Desenho s/papel 25x20 cm
José Rodrigues

Acabei de ler o livro Exercícios de Delicada Intimidade, com pinturas de José Rodrigues e poemas de Júlio Montenegro.
Silêncio, página 68-69, junta um dos poemas com uma das pinturas que mais gostei.


nada é mais eloquente
e perturbador que o silêncio

e, no entanto,
nenhum outro ruído é tão inquietante
como aquele que sobra das palavras que se não dizem.

Júlio Montenegro


domingo, 6 de janeiro de 2013

Vítimas de Salazar - Irene Pimentel



Aos sessenta e dois anos Irene Flunser Pimentel, é considerada por muitos como a pessoas que  mais conhecimentos tem sobre o regime salazarista em Portugal. Em 2007, viu o seu trabalho ser reconhecido ao vencer o maior galardão para um autor de língua portuguesa, o Prémio Camões.
“Ao erguer, a partir de 1932, o Estado Novo corporativo, autoritário e nacionalista, António de Salazar declarou que estava feita a «revolução legal», mas que faltava realizar a «revolução mental» ” para isso, utilizou meios como a censura, o lápis azul tornou-se numa das marcas do regime, mandou construir prisões politicas, o Campo de Concentração do Tarrafal era a prisão mais temidas pelos presos políticos, apelidado de campo da morte, dificilmente alguém saia da “aldeia farpada” com vida, nos julgamentos “os advogados de defesa passavam para o banco dos réus”, era violada a correspondência e os telefones eram postos sob escuta, com isto Salazar pretendia “por um lado, dar aos portugueses uma única e determinada imagem de um País e de um regime, pretensamente sem conflitos, problemas, miséria e dificuldades, segundo a norma de «o que parece, é», tão do agrado de Salazar... por outro lado, um propósito de despolitização e desmobilização cívica dos portugueses, ao tentar impedir a tomada de conhecimento de alternativas sociais, culturais, políticas e ideológicas ao Estado Novo”.
Abordando estes temas entre outros “Vitimas de Salazar” conta histórias reais de homens e mulheres que não gostando do regime vigente no País foram mortos ou torturados quase até a morte, mas felizmente algumas resistiram e com isso contribuíram para a revolta e o fim do regime.
Um livro histórico, onde nada é romanceado, fatos duros mas reais. Saber da nossa histórica é imperativo, para que certas atrocidades não possam voltar a acontecer!
Um bom livro para quem gosta de história ou para quem quer ficar a conhecer melhor o regime que governou portugal de 1933 até 1974.
              Boa leitura...

domingo, 30 de dezembro de 2012

Paul Auster em Invisível

     " Parece de facto um nome sólido, repliquei, mas, na América, nada é sólido. O apelido «Walker» foi dado ao meu avô quando desembarcou em Ellis Island em 1900. Pelos vistos, os funcionários da imigração viram-se gregos para pronunciar Walshinksky,de modo que resolveram rebaptizá-lo, transformando Walshinksky em Walker.
   Que país este, disse Born. De uma penada funcionários iletrados despojam um homem da sua identidade. 
      Da identidade, não, disse eu. Apenas do nome."

Mais citações e sugestão de leitura de Invisível de Paul Auster:

quinta-feira, 27 de dezembro de 2012

Monteiro Lobato - Negrinha

     
     Uma das grandes vantagens dos blogs é podermos partilhar opiniões. A deise do blog meneleubiblioteca falo-me sobre Negrinha de Monteiro Lobato (1882-1948), grande escritor brasileiro que eu não conhecia. Segunda ela, o autor está a ser acusado da sua obra ser racista. Pois bem, este foi o único trabalho que li de Monteiro Lobato, por isso o meu comentário é apenas deste conto e não de toda a obra do escritor, mas na minha modesta opinião quem escreve um conto como este é tudo menos racista. 
     Parti do pressuposto que esta obra era recente – um livro com 20 anos é recente – por isso, vi neste conto um género de alegoria, pois acredito que casos destes já devem ser raros, para não dizer nulos. Bom estava enganado, a obra foi publicada em 1920. Nessa altura os maus tratos a crianças não deviam ser assim tão raros, se fossem negras o caso ainda seria pior. Dizem que Monteiro Lobato era racista? Alguém que o afirma, além de não ter lido bem a obra, também não pode conhecer o contexto histórico da altura. Então vejam: 
    Encontramos um escritor preocupado com os maus tratos às crianças (Veio o ovo. Dona Inácia mesmo pô-lo na agua a ferva…Seus olhos contentes envolviam a miséria da criança que, encolhida a um canto, aguardava trêmula alguma coisa de nunca visto. Quando o ovo chegou ao ponto a boa senhora chamou: - Venha cá – Negrinha aproximou-se – Abra a boca – Negrinha abriu a boca, como o cuco, e fechou os olhos. A patroa, então, com uma colher, tirou da água “pulando” o ovo a zás! Na boca da pequena) preocupado com o racismo (“essa indecência de negro igual a branco”), preocupado com a “caridadezinha” de muitos (“Não se pode ser boa nesta vida…Estou criando aquela pobre órfã, filha de Cesário, mas que trabalheira me dá!”), preocupado com uma Igreja que no purgatório tudo perdoa aos ricos (“Gorda, rica, dona do mundo, amimada dos pobres, com lugar certo na igreja e camarote de luxo reservado no céu”), também é destacado a capacidade que os mais oprimidos têm em perdoar. 
     Tal como outros grandes escritores como Doris Lessing ou Hertha Muller, a história é levado ao extremo e consequentemente os efeitos também. O leitor conhecera outras histórias, talvez menos graves, menos chocantes, mas também elas capazes de provocar o sofrimento, a dor ou a angústia. Um conto dura, muito duro, onde crueldade humana é demonstrada mas também fica provado que existe seres humanos preocupados com essas atrocidades.
    Boa leitura....

segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

A parte ridícula do natal



- Pai, olha a prenda que recebi!
- Já vejo,  estou a responder a uma mensagem de um cliente

- Filho o que queres comer.
- Mãe ainda não acabei de fazer todos os telefonemas, daqui a uma hora janto.

-Vens brincar comigo.
-Ainda falta enviar as boas festas a oitenta pessoas, já vou.


Nunca percebi como é que certas pessoas passam a noite de natal agarrados ao telemóvel, a responder a mensagens ou a fazerem telefonemas, quando na maioria das vezes as mensagens de boas festas são dadas a amigos de ocasião e de circunstância, amigos deste ano e não para uma vida. 
Não brincar com os filhos; não dão atenção aos pais e as avós; quase não falam com a sobrinha que foi passar o natal lá a casa; tudo para responder e dar a boas festas a todos...Estranho natal vivem essas famílias.

Feliz Natal ....

domingo, 23 de dezembro de 2012

Pearl S. Buck em Há Sempre Um Amanhã


"Que som abafado fora aquele? A mãe soluçava? Apoderou-se dela um momento de pânico, o pânico de uma criança que vê um adulto chorar e sente o coração apertado, aflito, porque se os adultos também choram ninguém está ao abrigo do sofrimento."

Excerto da página 10

domingo, 9 de dezembro de 2012

Ensaio sobre a Lucidez - José Saramago


            
           Saramago disse muitas vezes que não escrevia para pessoas conformadas ou satisfeitas; escrevia para leitores desassossegados. A sua escrita pretendia desassossegar. Ensaio sobre a Lucidez é mais um exemplo disso. Decorria o ano de 2004, Saramago, vencedor do Prémio Nobel da Literatura de 1998 já era uma figura mundialmente aclamada, tinha 82 anos, quem pensava que o Nobel e a idade levariam o autor ao conformismo, enganou-se! Saramago publicava mais um livro que desagrada às tais pessoas conformadas e satisfeitas. Desta vez, políticos e cidadãos eram responsabilizados pelo estado a que a democracia chegou.
                “Vi que eram quatro horas e disse para a família Vamos, é agora ou nunca.”
                Na mesma cidade onde há uns anos uma estranha doença designada Cegueira Branca tinha-se instalado, decorria um ato eleitoral. A cidade era conhecida por ter uma democracia consolidada. Estranhamente, mesmo tento em conta as condições climatéricas adversas, eram muito poucos os votantes até às três da tarde. Sem uma razão aparente, a partir das quatro horas da tarde a população dirigiu-se massivamente as mesas de voto, já passava da meia-noite quando o ato eleitoral acabou.
                “Os votos validos não chegavam a vinte e cinco porcento, distribuídos pelo partido de direita, treze por cento, pelo partido do meio, nove por cento, e pelo partido de esquerda, dois e meio porcento. Pouquíssimos votos nulos, pouquíssimas as abstenções. Todos os outros, mais de setenta por cento da totalidade, estavam em branco.”
                O estado de sítio foi declarado; os políticos não percebiam o que estava acontecer e temiam que outras cidades se inspirarem no que ali se passava; a censura voltou a ser utilizada; houve quem propusesse a construção de um muro em torno da cidade. Governo, polícia e militares abandonaram a cidade, mas estranhamente nada de novo se passava, as pessoas continuavam com a sua vida, normalmente. Porquê? Como era possível? Simplesmente os habitantes tinham tido a lucidez e a consciência da sua responsabilidade.
                “O único crime desta gente foi votar em branco, não teria importância de maior tivessem sido só os do costume, mas foram muitos, foram demasiados, foram quase todos.”
                Não basta culparmos os banqueiros, os políticos, ou os economistas pelo atual estado da nação. Não tivemos consciência, não dissemos Não, vivemos sem a lucidez destes habitantes e chegámos há situação atual. Culpados, nós? Sim, pela inércia, pela falta de consciência, porque deixámos que tudo fizessem sem nada opormos.
                Numa altura em que se comemora os noventa anos do nascimento de José Saramago, está é, pelas piores razões, uma obra mais atual do que há data da sua publicação.
                Boa leitura….

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Valter Hugo Mãe vence Grande Prémio PT de Literatura


    O escritor português Valter Hugo Mãe venceu esta noite a décima edição do Prémio Portugal Telecom de Literatura em Língua portuguesa.
    Valter Hugo Mãe tornou-se o terceiro português a vencer este prémio lusófono. Este foi o primeiro ano em que para além das categorias de poesia, conto e romance se entregava também um “Grande Prémio”. 
    Valter Hugo Mãe venceu esta distinção e também a categoria de Romance, com o livro “A Máquina de Fazer Espanhóis” e junta-se assim a outros nomes como Gonçalo M. Tavares e António Lobo Antunes que já antes venceram o prémio PT de Literatura. 
    As categorias de poesia e conto foram ambas atribuídas a brasileiros. O escritor brasileiro Dalton Trevisan ganhou na categoria de contos com o livro “O anão e a ninfeta”, já a categoria de poesia foi ganha pelo autor brasileiro Nuno Ramos com o livro “Junco”.

Fonte: Radio Renascença

Sugestão de leitura de a maquina de fazer espanhóis de valter hugo mãe:
Mais sugestões e citações de livros de valter hugo mãe:

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Pepetela em O Planalto e a Estepe

    

     "Duas irmãs que moravam numa cubata à entrada da cidade recebiam os estudantes. A cubata era no meio dos eucaliptos por trás do liceu, bem camuflada por ravinas e árvores. Os estudantes geralmente iam aos pares. Fomos também formando par, mas aceitaram só a mim e não ao que era da cor delas. Foi o que me disseram da primeira vez. Tu está bem, que é branco, mas ele não. Ele era o filho mais velho do Kanina, o João. (...) Mostrámos o dinheiro (...) Ele não, disse a irmã. O dinheiro é igual, disse o João. Pois, mas a cor não é. (...) mas como recusas um da tua cor? Porque se um branco souber que me deitei com um negro, não vai querer se deitar mais comigo. E os brancos é que têm dinheiro."

Excerto da página 20

Sugestão de leitura de O Planalto e a Estepe de Pepetela:

segunda-feira, 12 de novembro de 2012

História do Cerco de Lisboa - José Saramago


               
              Se fosse vivo, José Saramago, completaria no próximo dia 16 de Novembro 90 anos. É um autor que não precisa de apresentações mas, para aqueles que não conhecem a grandeza da sua obra, basta relembrar que continua a ser o único autor de língua portuguesa vencedor do Prémio Nobel da Literatura.
                Na leitura deste livro não é só a historia do cerco de Lisboa que passamos a conhecer; também é contada a história da tomada de Santarém, assim como o milagre de Santo António, ou o milagre de Ourique, onde Cristo apareceu a D. Afonso Henriques, e claro a estória de como seria o cerco a Lisboa se os cruzados tivessem dito não ao Rei Português, mas esses factos não são os mais relevantes neste livro.
                “Com a mão firme segura a esferográfica e acrescenta à palavra, uma palavra que o historiador não escreveu, que em nome da verdade histórica não poderia ter escrito nunca, a palavra Não, agora o que o livro passou a dizer é que os cruzados Não auxiliarão os portugueses a conquistar Lisboa, assim está escrito e portanto passa a ser verdade”
                Raimundo Silva, no seu trabalho de revisor, acrescentou um não nesta história, e é esse não que tem mais importância neste livro, pois, na nova história do cerco de lisboa, também os soldados tiveram a coragem de dizer não:
                “Saiba vossa alteza que não, ou me pagam pela tabela dos cruzados, ou não vou mais à guerra”(…)”pensai também que acto de justiça pagar o igual com o igual, e que este país em princípio de vida só começará mal se não começar justo”
                Estas palavras do soldado Mogueime leva-nos a um raciocínio: como seria diferente a história da humanidade se mais pessoas tivessem a coragem de dizer não.
                 A história de amor entre Raimundo e Maria Sara, sua superior hierárquica, também tem bastante destaque ao longo do livro. Mas será que a história de amor de ambos é muito diferente da história de amor entre Mogueime e a prostituta Ouroana?
                “Parece que estamos em guerra, e é guerra de sítio, cada um de nós cerca o outro e é cercado por ele, queremos deitar abaixo os muros do outro e continuar com os nossos, o amor será não haver mais barreiras, o amor é o fim do cerco.”
                A Deus são feitas muitas críticas. Uma pergunta torna-se inevitável, se Deus ajudou tanto os portugueses nesta batalha, como consentiu que as tropas que lutavam em Seu nome fizessem o seguinte ato: “foi toda a população passada à espada homens, mulheres e meninos, sem diferença de idade e terem ou não terem arma na mão”. E qual será a maior e melhor divindade: Deus ou Alá?
                Boa leitura…      

terça-feira, 6 de novembro de 2012

Gonçalo M. Tavares em Jerusalém

O desemprego é dramático, a história prova esse facto...


Um judeu libertado de Buchenwald descobriu, entre os SS que lhe entregavam os seus documentos à saída do campo, um ex-companheiro de escola, ao qual não dirigiu a palavra, mas que olhou bem nos olhos. Por sua própria iniciativa, aquele que ele olhava desse modo disse-lhe: "Tens de compreender, tenho cinco anos de desemprego atrás de mim; comigo, eles podem fazer tudo aquilo que quiserem."

Excerto da pagina 139.

Mais sugestões e citações de livros de Gonçalo M. Tavares:
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/search/label/Gon%C3%A7alo%20M.%20Tavares


domingo, 4 de novembro de 2012

O Teu Rosto Será o Último - João Ricardo Pedro


         

         João Ricardo Pedro nasceu em 1973 na Reboleira, Amadora. Licenciado em engenharia eletrotécnica, ficou em 2009 sem emprego após uma década a trabalhar numa empresa de telecomunicações. O ditado popular afirma: “a ocasião faz o ladrão”, neste caso o tempo disponível levou o autor a escrever “O Teu Rosto Será o Último”, romance de estreia que lhe valeu o Prémio Leya 2011, galardão que tem como recompensa o valor de 100.000€ e garante a venda de muitos livros.
                 “«Pai, quem é que foi o Salazar?» O pai respondeu sem hesitações: «Foi um defesa esquerdo do Belenenses.» (…) «Não, pai, o Salazar mau, aquele mesmo muita mau de que às vezes falam na televisão.» O pai pousou os óculos sobre o jornal, olhou o teto, olhou o filho e disse: «Foi o cabrão que matou o teu avô, o pai da tua mãe.»”
                O romance começa com a revolução de 1974 como pano de fundo. Ao longo das páginas, as histórias de avó, pai e neto vão sendo contadas em episódios aparentemente autónomos. Sempre com muita música pelo meio, somos levados ao tempo em que o doutor Augusto Mendes, após comprar uma casa numa aldeia, é recebido com muita alegria.
                “Quando chegaram as coisas para o consultório, a alegria das pessoas. Já temos médico. Já temos doutor. Faziam fila para me darem batatas e coelhos e queijos de cabra.”
                O entusiasmo com a passagem da volta a Portugal em bicicleta contrastava com os horrores da guerra colonial. António, filho do doutor Augusto, espelha o desespero e os traumas que a guerra deixou na nação. A madrinha de guerra de António acabou por ser sua esposa. Duarte, o pianista promissor, é filho de ambos.
                “Ele escrevia cartas. Cartas lindas. Talvez te seja difícil imaginar o teu pai a escrever cartas, muito menos cartas lindas, mas é verdade.”
                Sendo um livro que reflete a realidade popular das épocas retratadas, o futebol tinha que ser tema obrigatório. Outros temas também são abordados como a União Soviética, o incidente na praça de Tiananmen ou a pobreza vivida no tempo do Estado Novo.
                Com uma escrita simples e muito acessível, é sem dúvida um excelente trabalho para um romance de estreia.
                Boa leitura…

sexta-feira, 26 de outubro de 2012

Chico Buarque em Leite Derramado


O teu mal faz-me tão bem...

"Chegando o dia, vestiu-se como achou que era bom-tom, com um vestido de cetim cor de laranja e um turbante de feltro mais alaranjado ainda. Eu já lhe havia sugerido que guardasse aquele luxo para o mês seguinte, na despedida do francês, quando poderia subir a bordo para um vinho da honra. Mas ela estava tão ansiosa que se aprontou antes de mim, ficou na porta me esperando em pé. Parecia empinada na ponta dos pés, com os sapatos de salto, e estava muito corada ou com rude demais. E quando vi sua mãe naquele estado, falei, você não vai. Por quê, ela perguntou com voz fina, e não lhe dei satisfação, peguei meu chapéu e saí. Nem parei para pensar de onde vinha a minha raiva repentina, só senti que era alaranjada a raiva cega que tive da alegria dela."

Excerto das páginas 16 e 17

Sugestões e citações sobre Leite Derramado de Chico Buarque:

quinta-feira, 18 de outubro de 2012

Hilary Mantel com “Bring up the Bodies” é a vencedora do Man Booker Prize 2012



Hilary Mantel com “Bring up the Bodies” é a vencedora do Man Booker Prize 2012.
"Esperei 20 anos por um Prémio Man Booker e em pouco tempo são-me atribuídos dois"
Ao vencer o galardão, torna-se na primeira mulher a receber o prémio pela segunda vez. Na história do prémio, Mantel é a terceira, depois do australiano Peter Carey e do sul-africano J.M. Coetzee, a receber este prémio duas vezes.

 Sugestões de leitura e citações de outros Man Booker Prize:

2011 - Julian Barnes - O Sentido do Fim
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/2012/08/o-sentido-do-fim-julian-barnes.html

2010 - Howard Jacobson - A Questão Finkler
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/search/label/A%20Quest%C3%A3o%20Finkler

2008 - Aravind Adiga - O Tigre Branco
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/search/label/Aravind%20Adiga

Philip Roth
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/search/label/Philip%20Roth

Penelope Liverly
http://sugestaodeleitura.blogspot.pt/search/label/Penelope%20Liverly


quarta-feira, 17 de outubro de 2012

Paul Krugman - Acabem com esta crise já!



Paul Krugman foi galardoado com o Prémio Nobel da Economia em 2008. Os seus livros são conhecidos por serem de fácil interpretação, tal como o autor afirma, não é preciso ter formação em economia para os perceber. Em Acabem com Esta Crise Já! Aborda a situação económica mundial e deixa o seu ponto de vista para podermos sair da crise.
“Estamos a viver tempos terríveis, mais terríveis ainda porque toda esta crise é completamente desnecessária.”
O autor recorda que o desemprego nos Estados Unidos da América e nos países Europeus em dificuldades está a um nível elevadíssimo. Uma grande percentagem das pessoas que trabalham viram o seu rendimento diminuir, pois, ou perderam o segundo emprego, método utilizado por muitos para equilibrar o orçamento familiar, ou deixaram de fazer horas extraordinárias na empresa onde trabalham.
“Os devedores não podem gastar e os credores não querem gastar."
Para sair desta situação atual, Krugman defende o regresso das políticas keynesianas. No caso Europeu, defende que os estados em dificuldades - onde se inclui Portugal – terão que conseguir uma redução dos custos do trabalho em comparação com a Alemanha, mas uma vez que esses povos estão muito endividados e que uma redução dos ordenados levaria a um incumprimento massivo das famílias, cabe aos estados europeus mais ricos levarem a cabo políticas de investimento público, dessa forma e tendo em conta o pleno emprego registados nesses países os ordenados tenderiam a subir. Assim, os países em dificuldade, mantendo os atuais ordenados aos seus trabalhadores viriam os custos unitários do trabalho baixarem relativamente à Alemanha. Esta medida também levaria a que as exportações dos países em dificuldade aumentassem.
“É difícil fazer um homem algo quando o seu salário depende do facto de ele não entender isso. O dinheiro compra influências; e as políticas que nos levaram à situação em que estamos, apesar de não terem feito grande coisa pela maior parte das pessoas, pelo menos por uns tempos foram realmente muito boas para uns quantos indivíduos no topo”
Existe uma percentagem da população, os 0,1% mais ricos, que estão a ganhar muito dinheiro com a situação atual, dai ser difícil executar este plano, mas caso não seja realizado, Krugman alerta que os países em dificuldades enfrentaram décadas de desemprego elevado.
Boa leitura…

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Nobel da Literatura 2012 é atribuído a Mo Yan



A Academia Sueca atribuiu nesta quinta-feira o Prémio Nobel da Literatura ao escritor chinês Mo Yan, pseudónimo literário de Guan Moye. 
Em Portugal foi publicado em 2007 o livro "Peito grande, ancas largas", traduzido por João Martins e editado pela Ulisseia, mas atualmente encontrasse esgotado. Certamente que mais livros seus serão traduzidos para português. 
Não conheço a escrita de Mo Yan, mas será o primeiro autor chinês que irei ler… 

P.S. Era o terceiro na lista no site de opostas Ladbrokes

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

Amanhã saberemos quem é o Nobel da Literatura 2012...




O nome do vencedor do Prémio Nobel de Literatura será anunciado na próxima quinta-feira às 13:00..
Nenhum nome é apontado como grande favorito, mas os círculos literários em Estocolmo destacam a possibilidade de vitória de uma mulher ou de um autor americano.
Segundo o site de apostas online Ladbrokes, Huraki Murakami é o principal favorito. Recorde-se que por mais de uma vez as previsões deste site foram certas, o nome do vencedor tem estado sempre nos cinquenta nomes apresentados.
Como tem sido hábito, António Lobo Antunes também figura entre os favoritos. Em baixo deixo o link para poderem aceder há lista:

Deixo aqui o link das citações e sugestões de leitura que fiz dos autores que constam nessa lista:
Boas Leituras...
Haruki Murakami
Philip Roth
Amos Oz
António Lobo Antunes
Julian Barnes 
Paul Auster

terça-feira, 9 de outubro de 2012

Despacho da PIDE que autoriza a publicação do Hospede de Job de José Cardoso Pires


Para todos os interessados aqui fica o Despacho da PIDE que autoriza a publicação do Hospede de Job de José Cardoso Pires.



Livro de Alice Vieira para adultos recomendado a crianças de sete anos

O Plano Nacional de Leitura recomenda um livro de Alice Vieira escrito para adultos a crianças do segundo ano, que têm sete anos. A autora foi alertada pela directora de uma escola que visitou e ficou incrédula.
“Quando cheguei a casa, tarde, fui ver e realmente está indicado para leitura dos meninos do segundo ano, que têm sete anos. Este é um livro de poesia de amor, erótica, para adultos. Como é que se pode pôr isto aconselhado a sete anos?”, questiona.
No seu facebook, a autora também mostra a sua indignação, apelidando de "energúmenos" os que "escolhem os livros para o Plano Nacional de Leitura".
"Acabei de ver que o meu livro de poesia (poesia de amor, PARA ADULTOS!!!!) chamado 'O Que Dói às Aves' está aconselhado para...o segundo ano!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!! Mas essa gente leu alguma coisa do livro para lá do título? Será que pensam que são histórias de pintaínhos?????", questiona.
Alice Vieira espera agora que haja uma acção do comissário do Plano Nacional de Leitura.
“Acho que é o Fernando Pinto do Amaral, que me conhece muito bem, que conhece este livro e, portanto, penso que pelo menos ele irá mandar retirá-lo”, afirma.
A autora teme que, contudo, haja nas recomendações do PNL outros casos semelhantes.
Alice Vieira é conhecida pela sua literatura infanto-juvenil, mas também escreve para adultos.
Fonte: Radio Renascença
Sugestões de livros de Alice Viera:

quarta-feira, 3 de outubro de 2012

segunda-feira, 1 de outubro de 2012

O Hóspede de Job - José Cardoso Pires



Outubro é o mês que se assinala a data do nascimento assim como da morte de José Cardoso Pires. Nasceu na aldeia de São João de Peso, conselho de Vila de Rei a 2 de Outubro de 1925 e foi em Lisboa, a 26 de Outubro de 1998, que viria a falecer.
Ao longo da sua carreira publicou vários livros e conquistou vários galardões literários. Com “O Hospede de Job” venceu o Prémio Camilo Castelo Branco, obra dedicada ao seu irmão que perdeu a vida quando cumpria o serviço militar obrigatório.
“Na véspera, as mulheres tinham marchado sobre a Vila e, todas em coro, apresentaram-se na Câmara. Pediam pão para casa, trabalho para os maridos.”
Editado pela primeira vez em 1963 mas escrito em 1953, O Hóspede de Job é um livro que descreve muito bem o Portugal de então. Dessa forma descobrimos um país onde o desemprego abundava e a fome era uma constante; onde as pessoas, pela força da necessidade, faziam muitos quilómetros a pé na esperança de arranjar emprego; onde já existiam algumas máquinas agrícolas, mas onde essas mesmas máquinas preocupavam os trabalhadores pois pensavam que ainda iriam agravar mais a falta de trabalho; nessa altura os guardas andavam pelas aldeias a cavalo e prendiam muitas pessoas por aspetos políticos e os jovens eram obrigados a cumprir o serviço militar.
“Na grande maioria são homens-operários, homens-camponeses, cobertos com uma farda que cobriu antes deles outros operários, outros camponeses, ou pescadores”
O filho de Aníbal é um desses homens. No quartel onde está fazem-se testes militares comandados pelo hóspede de job, Gallager, um americano a mandar nas nossas tropas. João Portela, que esfomeado andava naquela zona há procura de emprego fica sem uma perna por causa dos testes militares, ele simboliza todos aqueles que ficaram sacrificados pela tirania de uma ditadura. Tio Aníbal é o típico português que se preocupa com a vida dos outros. Floripes, uma jovem, está pressa numa cela por cima de uma Igreja, sitio onde já poucas pessoas rezam.
“Tu não pertences aos presos comuns…”
Este livro reaviva o passado para que essas memórias não sejam esquecidas, mas existe uma pergunto inevitável: Como é que a PIDE autorizou a publicação da obra?
            Boa leitura…

segunda-feira, 24 de setembro de 2012

OS Malaquias - Andréa del Fuego



Andréa del Fuego é uma jovem escritora brasileira natural de São Paulo. Com apenas trinta e sete “primaveras” já tem vários livros editados no Brasil. O seu último romance, Os Malaquias, ao vencer o Prémio José Saramago, fez com que “saltasse para as luzes da ribalta” e ocupasse por várias semanas os tops de vendas tanto em Portugal como no Brasil.
Com um estilo de escrita muito próprio, onde o supérfluo não existe, a poesia é uma constante e o realismo mágico está sempre em pano de fundo, descreve a vida de três irmãos que ainda muito jovem – Nico aos nove anos, António aos seis anos e Júlia aos quatro anos – veem os seus pais morrerem após um raio atingir a sua humilde casa. Impercetível na altura, o raio deixaria marcas nos três jovens.
Júlia é adotada por Leila, uma senhora muito rica, António acaba por ficar num orfanato e Nico passa a viver na fazenda de Geraldo. Mas as vidas de ambos vão ser bastante diferentes, nem sempre quem aparenta ficar melhor é aquele que fica.
 “Geraldo era dono até do que não tinha”
Geraldo, o fazendeiro, é outra das personagens em destaque ao longo do livro. Ele representa todos aqueles que valendo-se da sua posição social e económica aproveitam o mal dos outros para fazerem fortuna.
“Que Deus não me ouça, mas já ouvi casos em que a mulher adúltera é castigada com um filho defeituoso”
Muitos temas são abordados ao longo do livro. Os preconceitos socias, a vida dura das pessoas com poucos recursos, a não preocupação pelo mal dos amigos, mesmo quando estes passam fome, os laços sanguíneos que não garantem a amizade e a compaixão, a maçonaria ou a ganancia pelo lucro são apenas alguns dos temas abordados.
“Em águas turvas as substâncias não se veem.”
Quer se goste, quer se odeie, Os Malaquias fazem partes daqueles livros que não deixam o leitor indiferente.
Boa leitura…

sábado, 15 de setembro de 2012

Paul Krugman (Prémio Nobel da Economia 2008) em Acabem com esta Crise já!


"Mas se um trabalhador individual pode melhorar as suas hipóteses de arranjar emprego ao aceitar um salário  mais baixo, porque isso o torna mais apetecível em comparação com outros trabalhadores, já o corte nos salários em todos os sectores de atividade deixa toda a gente na mesma situação, à exceção disto: tal corte reduz os rendimentos a toda a gente, mas o nível de endividamento continua igual. Por conseguinte, uma maior flexibilidade nos salários (e nos preços) resultaria simplesmente num agravamento das coisas."

Excerto da página 65.

terça-feira, 11 de setembro de 2012

Gabriel Garcia Marquez - A Aventura de Miguel Littín Clandestino no Chile



Decorria o ano de 1985. O Chile vivia sobre a ditadora militar do general Pinochet, umas das mais duras que a América Latina conheceu. Nos doze anos de ditadura que tinha decorrido até então, Pinochet tinha provocado quarenta mil mortos, dois mil desaparecidos e mais de um milhão de exilados. O país vivia um novo estado de sítio, todos os dias as sirenes assinalavam a hora do recolher obrigatório. É nestas condições que Miguel Littín, realizador de cinema e exilado político chileno, decide entrar no país para “filmar clandestinamente um documentário sobre a realidade do Chile”.
Gabriel Garcia Marquez, Prémio Nobel da Literatura 1982, já então um dos autores mais respeitados em todo o mundo, ao ouvir a história contada pelo próprio Miguel Littín aproveita a sua grande projeção mundial para dar uma ajuda ao povo chileno. Assim nasceu este livro, uma aventura verdadeira em que o autor tentou ser o mais realista possível.
“Eu, Miguel Littín, filho de Hernán e de Cristina, realizador de cinema e um dos cinco mil chilenos com proibição de regressar, estava de novo no meu país, ao fim de doze anos de exílio, embora ainda me encontrasse exilado dentro de mim próprio: usava uma identidade falsa, um passaporte falso e até uma esposa falsa.”
As mudanças constantes de hotéis por razões de segurança, as entrevistas a dirigentes da oposição que viviam na clandestinidade, as filmagens dentro do Palácio La Moneda onde Pinochet trabalha, ou a inesperada visita à sua mãe, onde esta não o reconheceu, são apenas algumas das aventuras que teve durante as seis semanas que permaneceu no Chile.
“Assumi a estranha condição de exilado dentro do meu próprio país, que é a mais amarga forma de exílio.”
Entre muitas coisas, Miguel Littín filmou um país onde as pessoas tinham medo de falar, onde o trabalho escasseava e a fome abondava, onde era preciso autorização para filmar na rua, onde os mineiros tinham péssimas condições de trabalho.
“Este não é o feito mais heroico da minha vida mas sim o mais digno”
Um livro cheio de histórias e aventuras e com a incontornável qualidade literária de Garcia Marquez.
Boa leitura…

Mais sugestões e citaçoes de livros de Gabriel Garcia Marquez:

domingo, 9 de setembro de 2012

José Cardoso Pires em O Hóspede de Job


O nosso cérebro é incrível...

Após a amputação da perna de João Portela:

"Agora ainda não é nada. O pior vai ser quando acordar. Diz o nosso sargento que as pessoas continuam durante muitos dias a julgar que têm perna, braço ou seja lá o que perderam. Chegam a sentir dor, vê tu. Já pensaste o que é ter dor numa coisa que não existe? Procurar aqui e não achar nada."

Excerto da página 144.

sexta-feira, 17 de agosto de 2012

O Sentido do Fim - Julian Barnes



Com “O Sentido do Fim”, Julian Barnes conseguiu um feito que só está ao alcance dos grandes escritores, vencer o Man Booker Prize de 2011, prémio por muitos considerado como o segundo galardão mais importante da literatura mundial.
“Sobre aquilo de que não sabemos falar devemos guardar silêncio.”
É já na idade da reforma que Tony vesse obrigado a recordar todo o seu passado. Uma carta de uma solicitadora com o testamento de Adrian Finn, seu amigo de liceu e mais tarde namorado de uma ex-namorada sua, Verónica, leva-o a percorrer as suas memórias. Assim que soube do namoro entre Adrian e Verónica, Tony tinha cortado relações com o casal e desde então não mais tinha tido notícias deles.
“Camus disse que o suicídio era a única questão filosófica verdadeira”
Adrian era o mais inteligente do seu grupo de amigos, era aquele que tinha o futuro mais promissor, só que, sem razão aparente, comete o suicídio ainda na flor da idade. Será que ao optar pelo suicídio escolhe a via mais simples? Será que cometeu um ato filosófico? Ou será que a situação que vivia era bem mais complexa do que aquilo que aparentemente demonstrava?
“Era capaz de jurar solenemente que, se havia mente que nunca perderia o equilíbrio, era a de Adrian. Mas aos olhos da lei, se nos matássemos, eramos loucos por definição pelo menos no momento em que cometíamos o ato”
A solidão, o arrependimento pelo odio que sentimos num determinado momento, as mentiras que se contam sobre o sexo, as promessas de amizade eterna que se faz na adolescência e que mais tarde não se cumprem, os amigos e familiares que se contactam só por e-mail ou a imperfeição da nossa memoria são alguns dos outros temas abordados pelo autor.
“O que acabamos por recordar nem sempre é igual ao que presenciámos.”
Com este livro, Julian Barnes demostra que um pequeno livro pode ser uma grande obra.
Boa leitura…